Espondilolistese Lombar

À medida que envelhecemos, nosso corpo degenera com o tempo. No entanto, algumas pessoas têm um risco maior de certas condições degenerativas devido a um viés genético. Enquanto alguns terão colesterol alto, outros podem sofrer de doença degenerativa do disco ou estenose espinhal. Uma condição em particular, comum no envelhecimento da população, é chamada de espondilolistese. Espondilolistese é derivada das palavras gregas “spondy”, que significa vértebra e “listese”, significando movimento. Espondilolistese é uma condição anormal em que há instabilidade na coluna vertebral, como um corpo vertebral está se movendo para a frente sobre as próximas vértebras.

Espondilolistese Lombar

Espondilolistese lombar produz sintomas distintos que diferem de outras condições da coluna vertebral. A queixa mais comum é a dor quando se está em pé e se debruça sobre uma bancada ou pia. A permanência prolongada também é difícil. A instabilidade também pode comprimir os nervos do canal vertebral, causando dor nas nádegas e descendo pelas pernas até os pés. Dormência e fraqueza podem estar presentes em vários graus também.

O nível mais comum em que isso ocorre é entre a quarta e quinta vértebra lombar na parte inferior das costas. Esta condição é diagnosticada radiograficamente com radiografias da coluna lombar realizadas com a coluna lombar nas posições flexionada e estendida.

Espondilolistese Lombar

A ressonância magnética da coluna lombar pode ser realizada mostrando mais detalhes da coluna vertebral e o grau de compressão dos nervos ao nível da espondilolistese. Estenose espinhal é o estreitamento do canal vertebral ou locais de saída que podem comprimir os nervos causando dor nas costas e nas pernas. A estenose é tipicamente causada pelo crescimento degenerativo de ligamentos e articulações que comprimem os nervos.

Tratamento não cirúrgico

As opções de tratamento geralmente começam com a tentativa de antiinflamatórios orais, como ibuprofeno ou Naprosyn. Fisioterapia (PT) é geralmente prescrito também. PT ajudará a fortalecer a musculatura espinhal e diminuir os sintomas. Se os sintomas persistirem ou forem graves, o controle da dor intervencionista pode ser uma opção. Isso é feito através de injeções no canal vertebral ou articulações para reduzir a inflamação e aliviar a dor. No entanto, se as injeções não proporcionarem vários meses de alívio, nenhuma injeção adicional é recomendada.

Cirurgia

Como muitos pacientes podem ter espondilolistese, mas podem não apresentar sintomas graves, nem todos os pacientes precisam de cirurgia. A discussão com o cirurgião deve destacar por que a cirurgia é indicada e quais são os resultados típicos do cirurgião com base em suas técnicas.

O tratamento cirúrgico é uma última opção se o tratamento não operatório falhar. A cirurgia geralmente envolve uma descompressão com ou sem fusão. A descompressão é feita através da remoção de osso e disco para abrir o espaço para os nervos dentro do canal espinhal. A fusão é necessária para estabilizar a espondilolistese instável. A fusão é realizada através da inserção de instrumentação espinhal, parafusos e gaiolas, para estabilizar os corpos vertebrais. Enxerto ósseo, osso de cadáver ou osso do próprio paciente, também é inserido para o crescimento do osso entre os dois corpos vertebrais para curar ou fundi-los juntos. Opções sintéticas também estão disponíveis se os pacientes não desejarem ter ossos de cadáveres usados ​​em sua operação. Os pacientes devem discutir as opções de enxerto ósseo e instrumentação espinhal com o cirurgião como técnicas diferentes,

Os riscos da cirurgia variam com base na técnica cirúrgica, mas os riscos mais comuns envolvem sangramento, infecção, lesão nervosa, ruptura dural, pseudo-artrose (fusão falhada), afrouxamento do hardware e degeneração articular e discal ao nível adjacente. Mesmo com esses riscos presentes, os benefícios da cirurgia freqüentemente superam esses riscos, mas uma discussão completa com o cirurgião ajudará a mantê-los em perspectiva.

O que posso esperar depois da cirurgia?

A recuperação varia com base na idade do paciente, condições médicas e abordagem cirúrgica. A maioria dos pacientes geralmente está no hospital 1-3 dias no hospital. Normalmente, eles são geralmente para cima e andando no dia após a cirurgia com ou sem um andador.

O retorno às atividades é tipicamente baseado nas recomendações de cura e cirurgiões. Caminhar é recomendado logo após a cirurgia, mas exercícios de jardinagem, corrida ou ginástica não são recomendados até que geralmente após 3 meses, às vezes até 6 meses. Este período de tempo é discutido com o cirurgião, pois cada um pode ter horários variados para retornar aos esportes e outras atividades.

Nota: todo o texto tem de ser alterado e imagens também que não temos outorização para usar estas

 

 

Create a website or blog at WordPress.com

EM CIMA ↑